Manjar de iogurte grego e coulis de morango fácil de preparar!

Manjar de iogurte grego e coulis de morango fácil de preparar!

Fácil de preparar, o manjar de iogurte é o tipo de sobremesa que não assusta nem o mais inexperiente cozinheiro. Basta misturar os ingredientes e colocar na geladeira, bem simples. O coulis também não tem lá grandes dificuldades no preparo, já que é um molho preparado com  frutas frescas e açúcar, triturado e peneirado pra ficar bem lisinho.

Uma deliciosa opção de acompanhamento para bolos, sorvete, e tortas. Na receita de hoje, o coulis foi preparado com morangos frescos para acompanhar nosso manjar de iogurte grego, uma sobremesa leve, na medida para matar a vontade de comer um docinho.

Ingredientes

  • 7 potes de iogurte grego – 700g (usei Batavo);
  • 1 caixinha de creme de leite – 200g;
  • 1/2 lata de leite condensado – 197g;
  • 1 pacotinho de gelatina incolor sem sabor – 12g;
  • 1 caixinha de morangos – 200g;
  • 2 colheres (sopa) de açúcar

Modo de preparo – Manjar de iogurte

  • Unte uma assadeira de furo no meio com óleo vegetal. Reserve;
  • Coloque a gelatina em um pote e adicione 5 colheres (sopa) de água, misture e deixe hidratar. Reserve;
  • Em um bowl misture o iogurte grego, o creme de leite e o leite condensado;
  • Leve a gelatina ao microondas por 15 segundos. Assim quem retirar do microondas misture bem para dissolver. Adicione a gelatina ao creme de iogurte e misture até estar bem homogêneo;
  • Despeje o creme de iogurte na forma e leve para gelar por 4 horas.

 

Modo de preparo – Coulis de morango

  • Lave os morangos e retire os talos, pique, adicione o açúcar e deixe descansando por 10 minutos;
  • Triture com o mixer ou no liquidificador. Passe pela peneira para tirar as sementes e ficar bem lisinho. Está pronto, agora é só desenformar o manjar e servir com o coulis.

Um pouco de história…

O manjar branco é uma das sobremesas mais antigas do mundo – data de cerca de mil anos. Nasceu no sul da França, mais precisamente em Languedoc. Na idade média, era servido como acompanhamento de carnes claras e feito com mel. Em 1841,  a receita atravessou o Atlântico e foi incluído no primeiro livro de cozinha publicado no Brasil, “O cozinheiro imperial”. A sobremesa também é típica do Peru e do nordeste da Argentina, onde é preparada com leite e baunilha.

Rendimento: 10 fatias

Produção culinária e fotos: Marianne Rogatto

❤️

“Receita a gente compartilha. Igual felicidade e noticia boa.”

Ana Holanda

Fonte: Histórias, lendas e curiosidades  da confeitaria – Roberta Malta Saldanha

Seja um leitor parceiro! Faça suas reservas aqui pelo blog

Se esta dica for útil a você, retribua a gentileza e ajude a gente também! Cada vez que você reserva um produto por algum dos links abaixo, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar e a atualizar nosso conteúdo, sem você ter que pagar nada a mais por isso.