O que visitar nos Caminhos de Pedra de Bento Gonçalves?

O que visitar nos Caminhos de Pedra de Bento Gonçalves?

Considerado Patrimônio Histórico e Cultural do Rio Grande do Sul, os Caminhos de Pedra de Bento Gonçalves surgiram com o objetivo de alavancar o turismo em uma região que encontrava-se decadente até o início da década de 90, bem como com o objetivo de preservar os costumes, influências e o histórico da imigração italiana na região da Serra Gaúcha.

Quando ouvi pela primeira vez no nome dado – Caminhos de Pedra – vieram várias coisas imaginárias na cabeça do que poderia ser tais caminhos. Simplificando a explicação, nada mais é que uma rota, que deve ser feita de carro e possui várias atrações e casas temáticas ao longo do trajeto. Tais casas temáticas foram restauradas ou construídas nos moldes do final do século XIX, podendo ser de madeira, de pedra ou de algum outro material utilizado na época.

Pensando em atrair turistas de todos os cantos, tudo foi feito de forma que o visitante se sentisse de certa forma próximo a um passado marcante para a história não só do Rio Grande do Sul, mas também de nosso país.

Entre tais casas, estão as famosas Casa da Erva Mate, Casa da Ovelha e Casa do Tomate, sendo que todas são propriedades privadas e pertencentes em sua maioria a descendentes de famílias italianas. Se quiser conhecer todas as propriedades com calma, precisará de um dia inteiro, mas creio que não haja tal necessidade, caso você não seja um apaixonado pela gastronomia ou não queira ver em detalhes cada construção por dentro e qual é a proposta comercial do lugar.

Se optar por visitar e adentrar todas as casas e estiver com a família, prepare o bolso porque algumas casas temáticas do Caminhos de Pedra possuem o valor de entrada e dos “souvenirs gastronômicos” bem acessíveis e outras não. Por conta disso, fica a dúvida na cabeça de quem planeja visitar em qual lugar parar.

E eu estou aqui para dar os meus pitacos do que entendo do que vale ou não a pena. Bora?

Casa da Erva Mate

A simpática Jaqueline, que administra a Casa da Erva Mate nos recepciona contando sobre o local e demonstrando o processo de fabricação do mate, uma das coisas mais importantes na vida cotidiana do gaúcho, Tchê! Afinal, qual deles não é sedento por um chimarrão (poucos, muito poucos)?

Em frente a Casa da Erva Mate, na garagem da família de Jaqueline, funciona uma “lujinha” em que é possível fazer a degustação do chimarrão, comprar a erva mate para fazer o seu chimas (muito boa por sinal) entre outros adereços relacionados a iguaria.

Na minha opinião, a Casa da Erva Mate é uma das paradas obrigatórias no turístico Caminhos de Pedra de Bento Gonçalves, não só por você ter acesso a história do mate e poder comprar a erva mate que é lá naturalmente produzida , mas também pela simpatia e hospitalidade. Tem post no blog com o passo a passo de como fazer chimarrão, gentilmente feito pela Jaqueline  -> chimarrão

Preço de entrada (agosto/2017): R$ 5, – Horário de funcionamento: 09:00 – 18:00, diariamente

Informação relevante aos consumidores de chimarrão: A Casa da Erva Mate produz e entrega o mate em todo território nacional.

Parque e Casa da Ovelha

O Parque da Ovelha é outro ícone nos Caminhos de Pedra, mas o valor de entrada por pessoa para conhecer assusta, principalmente, se tem a intenção de visitar vários lugares na rota dos Caminhos de Pedra. Quando estive por lá, entrei com o meu sobrinho (que pagou o mesmo que eu).

Claro que é bem interessante conhecer o lugar (que é lindo por sinal!), saber como funciona o trato das ovelhas, os processos produtivos, fazer as degustações dos produtos e de ver o pastoreio dos borders collies, mas é necessário colocar na balança custo x benefício x tempo. Caso opte por não entrar no Parque da Ovelha e ver tudo isso, tem um loja com todos os produtos por eles produzidos, além de uma série de souvenirs. Os preços também são salgados, mas os produtos são de ótima qualidade.

A impressão das pessoas se misturam entre os que adoram e recomendam a experiência e os que adoram e acham caro. Por isso, não quero aqui falar se vale ou não a pena, mas sim que vocês coloquem na balança e decidam.

Preço de entrada (agosto/2017): R$ 50,

Horário de funcionamento: Segunda-feira das 09:30 às 17:30hs (loja) – demais dias das 09:00 às 17:30hs (loja), com a última entrada no parque às 16:15

Tá gostando das dicas? Seja mais um leitor parceiro e ajude a gente também!

Precisa reservar seu hotel ou hostel? Se você reservar sua hospedagem aqui no blog (através deste link do Booking) ou qualquer outro serviço através destes links de seguro viagem com comparativochip internacional de celular entregue em casa ou aluguel de carro parcelado e sem IOF, além de não te custar nada a mais, ajudará na monetização do conteúdo, através de uma pequena comissão que receberemos. – Caso tenha que cancelar a reserva por ter encontrado um preço melhor no Booking, entre novamente pelo link do blog para fazer a nova reserva, já que o site de hospedagem desconsidera a comissão pra gente quando ocorre o cancelamento e é feita uma nova reserva

Isto fará com que sejam cobertos, em partes, os custos de manutenção e proporcionará que viajemos cada vez mais, trazendo cada vez mais estas e outras informações bacanas e úteis.

Casa do Tomate

Esta é outra tradicional e interessante casa temática para ir. A exemplo da Casa da Erva Mate, possui um preço simbólico de entrada, até porque não tem todas as atrações que a Casa da Ovelha possui. Durante a visita, há um bate papo sobre como os imigrantes foram parar na região, além da explicação sobre a produção do tomate e seus derivados.

Na lujinha (sempre haverá uma loja nas instalações…rs), há degustação de uma série de antepastos que são deliciosos e com preço acessível, além da degustação e comércio do refrigerante natural, que é uma delícia e livre de conservantes químicos.

Preço de entrada (agosto/2017): R$ 2, – Horário de funcionamento: 08:00 – 18:00, terças a domingos

Outras atrações

Além destas casas temáticas, há outras bem visitadas como a Casa das Cucas, a Casa das Massas e Artesanato e Casa da Tecelagem, mas não pense que são só as casas que fazem sucesso pelos Caminhos de Pedra. Pelo trajeto você encontrará também deliciosos restaurantes típicos italianos, vinícola, além de mais de 43 pontos de observação.

Com certeza a rota é uma mão (ou seria barriga?) cheia para quem quiser se deliciar nas tradições, gastronomia e história da imigração italiana. Caso não queira almoçar na rota, não deixe ao menos de visitar os “fundos” do Restaurante Nona Ludia. Além de ser a primeira casa restaurada pelo Projeto Cultural Caminhos de Pedra, ali na área do estacionamento, está uma árvore de Umbu, que com seu formato de gruta, abrigava e “protegia do frio” os primeiros imigrantes italianos que chegaram a região.

Endereço – Caminhos de Pedra

Estrada p/ São Pedro, 1390, Bento Gonçalves – RS

Apesar de pertencer ao município de Bento Gonçalves está muito próximo a divisa com a cidade de Farroupilha. Considere isso no momento em que planejar a visita.

Dúvidas que tive e que você pode ter

Vale a pena se hospedar em Bento Gonçalves, visitar as vinícolas e os Caminhos de Pedra

Sim, sim! Foi o que eu fiz, mas com uma pequena alteração. Acabei me hospedando muito próximo ao trajeto e ao Santuário Nossa Senhora de Caravaggio, que fica na cidade de Farroupilha, pertinho de Bento Gonçalves. Além de ter o preço das diárias mais acessíveis, pudemos visitar o santuário (famoso pelo Felipão ser devoto, lembra?) e foi só descer de carro a rua em que estava para entrar na rota dos Caminhos de Pedra logo pela manhã.

Quantos dias ficar em Bento Gonçalves? Vale a pena conhecer Farroupilha?

Recomendo deixar dois dias inteiros pelo menos. Uma para conhecer as vinícolas da região do Vale dos Vinhedos, outro para conhecer os Caminhos de Pedra e as belezas naturais de Farroupilha. Caso possa ficar o terceiro dia, que super recomendo, faça o passeio de trem de Bento entre outras atividades.

Dá para emendar com Gramado e Canela?

Sim, faça um roteiro de uma semana passando por Bento Gonçalves e Farroupilha e depois siga estrada para Gramado e Canela. Fiz isso e super recomendo. Se for em família, prepare o bolso porque comer e se hospedar na região do Vale dos Vinhedos e da Serra Gaúcha, principalmente em Gramado, é caro. Apesar das outras regiões do Rio Grande do Sul terem preços mais atrativos, como por exemplo a Região da Campanha (tem muito post no blog com dicas), é nesse bololô que os turistas adoram ir.

E por falar em turistas, será que vale a pena ir a loja de fábrica da Tramontina?

Também fui em Carlos Barbosa, cidade em que fica a loja de fábrica da Tramontina e, sinceramente, achei que não vale tão a pena assim o deslocamento até lá. Os preços não são uma pechincha, mas claro, mais baratos que em São Paulo ou nas lojas convencionais.

Qual melhor época para ir?

Se tem pavor de frio, como eu, vá na segunda semana de dezembro, que além de estar uma temperatura não tão absurdamente quente, verá várias hortênsias nas estradas e poderá ainda curtir o Natal Luz em Gramado e as atrações de Natal de Canela. Se for antes da segunda semana, periga de não ter todas as atrações ainda prontas para receber os turistas nesta época.

Se adora frio e quer fazer uma viagem romântica com lareira e afins, considere os meses de maio a setembro.

Gostou da dica? Seja mais um leitor parceiro e ajude a gente também!

Precisa reservar seu hotel ou hostel? Se você reservar sua hospedagem aqui no blog (através deste link do Booking) ou qualquer outro serviço através destes links de seguro viagem com comparativochip internacional de celular entregue em casa ou aluguel de carro parcelado e sem IOF, além de não te custar nada a mais, ajudará na monetização do conteúdo, através de uma pequena comissão que receberemos. – Caso tenha que cancelar a reserva por ter encontrado um preço melhor no Booking, entre novamente pelo link do blog para fazer a nova reserva, já que o site de hospedagem desconsidera a comissão pra gente quando ocorre o cancelamento e é feita uma nova reserva

Isto fará com que sejam cobertos, em partes, os custos de manutenção e proporcionará que viajemos cada vez mais, trazendo cada vez mais estas e outras informações bacanas e úteis.

Gostou das dicas? Seja mais um leitor parceiro e nos pague um café!

Se esta dica for útil a você, retribua a gentileza e ajude a gente também! Cada vez que você reserva um produto por algum dos links abaixo, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar esta plataforma e a atualizar nosso conteúdo com várias dicas bacanas e úteis a você, sem que tenha que pagar nada a mais por isso. Caso tenha que cancelar a reserva por ter encontrado um preço melhor no Booking.com ou em outro parceiro, entre novamente no link de hospedagem abaixo para fazer a transação, já que o site de hospedagem desconsidera a comissão pra gente quando ocorre o cancelamento e é feita uma nova reserva. Muito obrigada ;-)