O que fazer em Quebec e em quantos dias?

O que fazer em Quebec e em quantos dias?

Quebec ou Québec City é sem sombra de dúvida uma das cidades mais charmosas do Canadá. Apesar de todo este charme, muitas pessoas colocam pouquíssimo tempo para conhecê-la por pensar que não há muitas atrações além daquele centrinho fofo. Adianto que não é o suficiente para dar o “checked” na wishlist, já que há muito mais o que fazer na cidade e seus arredores em termos de gastronomia, história, arte, neve e esportes radicais.

Se você é do tipo de viajante que quer só ver o geralzão, sem conhecer a cidade, o espírito e os costumes, talvez (bem talvez porque acredito que é impossível) toda correria de um bate volta desde Montreal, por exemplo, pode ser o suficiente. Aqui, um adendo. A distância entre Montreal e Quebec City é considerável, levando por trecho cerca de 2 horas e meia de estrada. Por isso, avalie muito bem se não será um verdadeiro mico fazer este bate volta. O legal é fazer uma cidade por vez, além de conhecer melhor as duas cidades mais famosas da província francesa.

Agora, se quer explorar o charme da cidade e seus arredores, reserve ao menos três dias para conhecer esta belezura que é Quebec (Québec) City, palavra de quem frequenta a região desde 2005. Você não irá se arrepender e terá aquela sensação de mistura do vintage com o moderno com o cool o tempo todo. Caso não tenha muito tempo e queira conhecer somente a cidade e suas principais atrações, dois dias são suficientes.

Antes de irmos ao que interessa, quero dizer que trouxe neste texto o básico do básico. Sinceramente, foi bem difícil pra mim separar o joio do trigo em função de conhecer a província com olhos de uma local, mas espero que tenha conseguido.

1 – Old Quebec ou Cidade Velha (necessário pelo menos 1 dia inteiro para fazer com calma)

Quase todas as principais atrações turísticas de Quebec City estão localizadas na cidade velha. Para você se localizar, o que se chama de Old Quebec é demarcada pelos seus imponentes portões de entrada e saída, como o Porte Saint-Louis e o Porte Saint-Jean.

Para perambular bem por esta parte da cidade é essencial que coloque um bom par de tênis nos pés e tenha um mapa em mãos para não ir e voltar para o mesmo canto ou até sair da cidade velha, o que é quase impossível por conta dos portões, mas vai que… – Old Quebec é para ser explorada se perdendo pelos diferentes ângulos de cada esquina, andando com calma para admirar e registrar cada fachada de loja fofa, além do belo cenário da cidade, que mais parece (na verdade é) um canto tipicamente francês em plena América do Norte.

Degustar da gastronomia junkie (poutine!) e slow food, descobrindo o espírito da cidade e dos quebecois é algo para ser feito. Por isso que digo que precisa reservar um dia só para esta região. Se quiser fazer a rota por Old Quebec com mais e mais encantamento, comece pela parte de cima da cidade velha, que está mais próxima da parte mais nova da cidade e, é o lado mais moderninho e cool. Agora, caso queira seguir a rota de forma cronológica, comece da parte baixa e vá subindo até chegar ao topo.

Independentemente de onde dará o ponta pé de partida para conhecer a cidade, tais pontos devem estar em sua rota:

Rue Petit Champlain, Place Royale e as ruelas nos arredores 

A parte mais fofa e também mais fotogênica da cidade são as ruas da parte baixa de Old Quebec, como a Rue Petit Champlain, que é extremamente turística, charmosa, mas muito cheia. Pode ser que você se incomode um pouco com isso, mas tem como escapar. Saia dela, sentido Funiculaire, desça um pouco mais e se perca pelas demais ruelas. Há bistrôs, cafés e lojinhas apaixonantes que te renderão um bom tempo por lá e que encontram-se bem próximos da Place Royale, local onde foi fundada Quebec nos anos 1600 e que encontrará vários guias vestidos com roupas de época. Aqui é o canto que eu mais gosto da parte velha.

Subida ou descida de Funiculaire

Caso veja uma fila enorme ali no começo/final (depende de onde estará) tenha certeza que é para pegar o Funiculaire, transporte que liga a parte baixa e alta da cidade velha. É legal pegá-lo em algum momento, mas em uma primeira vez na área, suba as escadarias, olhe para trás e tenha uma vista linda da Rue Petit Champlain.

Terrasse Dufferin e Chateaux Frontenac

É a parte de cima de Old Quebec, de onde admiramos a vista do tão importante e extenso Rua São Lourenço e se tem uma fotogênica vista de um dos lados do icônico hotel Chateau Frontenac. Este é sem dúvida alguma um dos lugares mais memoráveis de Quebec City. Reserve um tempo por aqui pra admirar cada canto desta belezura de paisagem.

Por aqui, em alguns momentos, terão manifestações culturais muito próximas ao hotel e que valem sua atenção nem que seja por uns dez minutos. Por falar em Chateau Frontenac, se gosta de um bom drink, vá até o seu bar e curta este momento, não só pelo fato de ser glamouroso, mas também pra aproveitar e conhecer um pouco deste cartão postal da cidade. Tem até um tour guiado e pago pelo hotel, mas se estiver com tempo curto, dá bem para pular.

Para escolher ou fazer cada uma de uma vez

Assim que estiver no que eu chamo de Vieux Frontenac, mas que é na verdade o Terrasse Dufferin, terão duas alternativas de rota para adentrar na parte mais nova da cidade. Uma delas é subindo uma série de escadarias (lado esquerdo da passarela quando olhar o Chateaux Frontenac de frente) e atravessando uma parte bem arborizada chamada Promenade des Gouverneurs. Adoro esta parte por conta da paz que o caminho traz e a quebra daquela Quebec histórica, em termos de paisagem.

Outra opção é seguir rumo a entrada do Chateaux Frontenac, passando por ele, vários estabelecimentos graciosos e a Citadelle, até chegar em um dos famosos portões. Se tiver a intenção de entrar na Citadelle, você pode seguir qualquer um destes caminhos. Lá é possível entender melhor a história da província, da fortaleza e ainda ter um visual incrível. Tudo isso dentro de um tour guiado e pago de aproximadamente uma hora. – Caso não queira fazer o tour, é possível dar uma espiadela no local até um certo limite territorial.

Há outras views, museus e afins, mas sinceramente, se você caminhar e explorar bem a parte velha, o visual que tais lugares te proporcionarão serão quase mais do mesmo.

2 – New Quebec ou parte nova

(Se seguir a minha sugestão, o momento em que chegar a parte mais nova da cidade será já tarde e a deixará para o outro dia, mas se acordou cedo e teve pique, porque não encarar a parte mais nova da cidade, né não?)

Como disse agora acima, subindo a rua de entrada do Chateau Frontenac, continuará se encantando com as lojas fofas e a arquitetura da cidade, que vai pausadamente mudando até chegar a sua parte nova quando cruzar um dos portões. Neste momento, mantenha-se do lado direito, contornando a rua até chegar em uma linda e florida rotatória. Pronto! Estará de cara com Hôtel du Parlement (Parlamento), uma das minhas obras arquitetônicas favoritas na cidade e que você não pode deixar de ao menos passar pela frente.

De lá, começamos a subir mais e chegar na parte mais cool e badalada da cidade. Por lá encontrará lojas, cafés, bares e restaurantes que fazem a alegria de quem quer viver a vida e comer muito bem! Não deixe de ir ao menos para um drink ao Hotel Le Concorde e curtir a vista de seu restaurante panorâmico. – Reserve uma parte de seu dia livre para curtir esta parte bem tranquilamente e sentir o espírito dos quebecois, que são mais franceses que canadenses genuinamente.

3 – Arredores de Quebec City

Île d’Orléans

Se tem um lugar que me apaixonei à primeira vista foi Île d’Orléans. Por ser coladinha na capital da província, bastando somente atravessar a ponte, é algo super local que você deve visitar se curte slow food e toda essa vibe de vida saudável.

Apesar de ter morrido de amores por uma Île d’Orléans do passado, mais simplista e com uma boa variedade de produtos, confesso que na minha última vez senti bastante falta da variedade dos produtos e frutas colhidas na hora, já que o que me encantava eram aquelas fartas barracas com produtos locais e frescos à venda no meio da estrada, com seus produtores locais vindo de tempos em tempos diretamente de sua produção (normalmente nos fundos) com novas remessas.

Mas isso não é um empecilho para que tenha uma má impressão, muito pelo contrário, significa que a região passou a atender somente a população que vinha de Quebec City e seus arredores para atender também a demanda de turismo. Caso vá no inverno, poderá até acompanhar o processo de produção de ice wine e degustar mapple syrup em palitinho, pós choque térmico no gelo. É bom demais! – Já o verão, reserva as frutas da estação, muitas especiarias, sorvete artesanal entre outras particularidades da estação.

Por aqui, deixe planejado ao menos meio dia do seu tempo e tem que ir de carro.

Parc de la Chute – Montmorency (Cataratas)

Para visitá-la é necessário entrar em um parque nacional, cujo ingresso é pago. De lá, há opção de subir e descer em uma espécie de bondinho, de subir de bondinho e descer suas infindáveis escadarias ou simplesmente subir e descer de escada. É super tranquilo e recomendo descer as escadarias para ter um visual incrível do local.

Tanto Île d’Orléans quanto Montmorency são bem perto de Quebec City, sendo o bate volta a melhor escolha, sem sombra de dúvida. Pode até reservar um dia para fazer os dois, já que estão bem próximos.

Caso queira explorar mais da província, há outros textos para você se inspirar aqui.

Dica – Precisa falar francês para visitar Quebec?

Para quem não sabe, o Canadá é um país bilíngue e Quebec é a única província que fala francês. Em muitos locais fora da cidade de Quebec e Montreal você terá dificuldade na comunicação, caso só fale inglês, mas isto não é um problema na grande parte das atrações turísticas, hotéis, auberges (não albergues), restaurantes etc, já que o pessoal fala nem que seja o inglês para se comunicar. Já nas pequenas cidades e comércios locais mais afastados, você pode ter certa dificuldade já que eles não fazem a menor questão de falar o inglês.

O ideal é ter algumas palavras em francês de sobrevivência na mente ou anotadas para se virar melhor, mas não deixe de ir a província por conta disso. Para saber mais do motivo pelo qual a província de Quebec tem a sua língua mãe o francês, clique aqui.

Precisa de visto para ir ao Canadá?

Sim, senhores! O processo foi alterado no ano passado e deixei um texto bem completo neste link aqui.

GOSTOU DAS DICAS? SEJA MAIS UM LEITOR PARCEIRO E AJUDE A GENTE TAMBÉM!

Precisa reservar seu hotel ou hostel? Se você reservar sua hospedagem aqui no blog (através deste link do Booking) ou reservar qualquer outro serviço através destes links de seguro viagem com comparativochip internacional de celular entregue em casa ou aluguel de carro parcelado e sem IOF, além de não te custar nada a mais, ajudará na monetização do conteúdo, através de uma pequena comissão que receberemos. – Caso tenha que cancelar a reserva por ter encontrado um preço melhor no Booking, entre novamente pelo link do blog para fazer uma nova reserva, já que o site de hospedagem desconsidera a comissão pra gente quando ocorre o cancelamento e é feita uma nova transação 🙁

Isto fará com que sejam cobertos, em partes, os custos de manutenção e proporcionará que viajemos cada vez mais, trazendo mais conteúdo bacana para vocês.

Gostou das dicas? Seja mais um leitor parceiro e nos pague um café!

Se esta dica for útil a você, retribua a gentileza e ajude a gente também! Cada vez que você reserva um produto por algum dos links abaixo, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar esta plataforma e a atualizar nosso conteúdo com várias dicas bacanas e úteis a você, sem que tenha que pagar nada a mais por isso. Caso tenha que cancelar a reserva por ter encontrado um preço melhor no Booking.com ou em outro parceiro, entre novamente no link de hospedagem abaixo para fazer a transação, já que o site de hospedagem desconsidera a comissão pra gente quando ocorre o cancelamento e é feita uma nova reserva. Muito obrigada ;-)