[gtranslate]

A nota de crédito do Brasil caiu, e agora?

Na ultima quinta feira (11), a nota do crédito soberano do Brasil passou de “BB” para “BB-” pela agência internacional de risco Standard&Poor`s (S&P). A nota de crédito soberano descreve “quão bom pagador” um país é, ou seja, quanto maior a sua nota, mais confiável, eficiente e robusta é a economia de um país e, consequentemente, menor o seu risco.

O Brasil perdeu o selo de bom pagador em 2015 e com a queda da última quinta feira, atualmente, encontra-se 3 degraus abaixo de países que possuem tal selo, conforme tabela de classificação da S&P abaixo:

Captura de Tela 2018 01 14 às 15.50.10
Sistema de classificação de risco – S&P

Claro que o mercado já precificava esse rebaixamento devido a dificuldades que o governo teve para aprovar a reforma da previdência, por exemplo. Em nota, a S&P justifica que umas principais fraquezas do Brasil é o equilíbrio das contas públicas e a demora para aprovação de medidas fiscais.

Histórico de bom pagador do Brasil pela nota de crédito

O Brasil havia conquistado o selo de bom pagador pela S&P e as outras duas agências internacionais (Fitch Rating e Moody`s) pela primeira vez nos anos de 2008 e 2009, respectivamente, sendo a S&P a primeira a retirar o selo de bom pagador do Brasil (setembro de 2015), seguida pelas outras duas agências de classificação de risco.

O que isso impacta nos investimentos? 

O ano de 2018 será bem turbulento e com eleições presidenciais no final do ano. Se elegermos um candidato reformista e centrado com a meta fiscal, provavelmente, o país voltará a crescer e prosperar o que poderá trazer o selo de bom pagador de volta.  Caso contrário, se um candidato populista e não compromissado com o controle fiscal for eleito, o país passará por um aprofundamento da crise e, consequentemente, um novo rebaixamento da nota de crédito pode acontecer.

Como o futuro é incerto e não sabemos qual candidato será eleito, visto que há uma grande polarização dos eleitores, é necessário que tenhamos diversificação e proteção. Para isso, deixe grande parte do seus investimentos em renda fixa (tesouro direto, CDB, LCI, LCA e o que mais você julga necessário), compre também um pouco de dólar, ouro, ações, criptomoedas e opções que te projetam de uma possível catástrofe. Não podemos esquecer de colocar no bolo, os “queridinhos” investimentos de 2018: os tais fundos imobiliários, que falaremos no post da semana que vem!

Comece seu 2018 agindo e faça dele um ano diferente nos seus investimentos e na sua vida!

Qualquer dúvida, comente abaixo.

Um abraço,

Fon.

Crédito da imagem de capa.

Mais lidas
Clube de Vantagens
Economize na sua Viagem

Cada vez que você reserva um produto por algum destes links do blog, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar e a atualizar nosso conteúdo, sem você ter que pagar nada a mais por isso.

Picture of GARDENS

GARDENS

Viagens e Lifestyle

Idealizadora e fundadora do Não Pira, Desopila, apaixonada por SUP e ex bailarina do Municipal de São Paulo, largou sua carreira de executiva em uma grande multinacional para viver os seus sonhos e ter uma vida mais leve.

Leia Mais
Demais Autores
Picture of Mari Rogatoo

Mari Rogatoo

Gastronomia

Picture of Fran Galvão

Fran Galvão

Estilo

Picture of Ricardo Andion

Ricardo Andion

Games & Gastronomia

Picture of Mateus Fon

Mateus Fon

Finanças

Picture of Alessandra Lopes

Alessandra Lopes

Yoga e Hawaii

Picture of Luci Orkov

Luci Orkov

Vida Saudável

Picture of Ana Paula Teixer

Ana Paula Teixer

Arquitetura & Design

RECEBA NOSSO CONTEÚDO POR E-MAIL

Open chat
Olá. Podemos ajudar?
Olá. Podemos ajudar?