Você sabe o que é um investimento de renda fixa e quando investir nesta modalidade?

Sempre que um investimento apresenta regras de rentabilidade e prazo definidos logo no momento da aplicação, então é identificado como de renda fixa. A ideia é que o investidor tenha maior segurança ao saber onde está colocando o seu dinheiro.

Assim, quando uma pessoa investe em renda fixa, ela atribui o sucesso dessa aplicação a algum índice, que pode ser prefixado ou pós-fixado. Entre eles, certamente o mais popular é a taxa Selic, a taxa de juros básica do país.

Ao investir em um ativo atrelado à taxa Selic, o investidor sabe que o resultado final do seu investimento se dará em função do comportamento dessa taxa.

A Selic como referência

Cabe ao Comitê de Política Monetária (Copom) controlar a taxa Selic. Em geral, esse comitê observa uma série de fatores para determinar se ela sobe ou desce.

Consequentemente, essa determinação impacta toda a economia, uma vez que a Selic é usada entre os bancos para o financiamento de operações lastreadas em títulos públicos federais.

Assim, na prática, a Selic controla a emissão, a compra e a venda dos ativos.

Em março de 2020, o Copom reduziu novamente a taxa Selic, reduzindo para 3,75%. Esse índice é considerado baixo por se tratar de uma taxa que já chegou a atingir 45% no passado.

O problema é que dessa forma, a rentabilidade dos ativos atrelados à Selic fica menor.

Quando investir pensando na Selic vale a pena?

Um erro muito comum cometido pelo investidor brasileiro é apostar tudo em ativos com alta rentabilidade.

Quando o investimento é feito com critérios, mesmo as oscilações podem ser boas para o investidor, uma vez que não é apenas a rentabilidade que precisa considerar para ter sucesso nas aplicações.

grafico economico com seta de aumento investir em renda fixa
Crédito da foto: pixabay.com

Embora o contexto atual torne inviável a busca por altas rentabilidades associadas à Selic, o fato é que investimentos atrelados a ela costumam apresentar outros diferenciais, tão importantes quanto a rentabilidade no mercado financeiro: a liquidez e a segurança.

Quando o investidor aplica em um ativo com alta liquidez, significa que pode fazer o resgate do dinheiro investido com maior rapidez, algo essencial para situações emergenciais.

Já quando aplica em um ativo que apresenta segurança, quer dizer que riscos comuns como o de calote, são amenizados por quem emite o ativo.

Como investir em renda fixa?

Diante desse cenário, o mais indicado é o investidor compreender o que os investimentos atrelados à Selic podem oferecer a ele.

Se alguns anos atrás, eram certeza de boa rentabilidade e proteção, hoje apesar de não serem os mais indicados para quem quer ganhar mais dinheiro, ainda podem ser muito úteis para objetivos diferentes.

Entre esses objetivos está a formação da reserva de emergência, um primeiro e fundamental passo na construção de uma estratégia de investimentos eficiente.

Mesmo grandes players do mercado, especialistas em renda variável, precisam ter sua reserva e isso geralmente é construído em ativos de renda fixa atrelados à Selic.

O caminho mais seguro então é começar a jornada no mercado de investimentos de maneira conservadora. Ou seja, optando por ativos que rendem pouco, mas que são seguros e líquidos, como o Tesouro Selic, um título que permite o resgate diário e que é emitido pelo governo brasileiro.

Formando sua reserva de emergência nesse ativo, o investidor já tem como dar passos adiante na construção de sua estratégia, recorrendo a investimentos de perfil mais moderado, como Fundos de Financiamentos Imobiliários (FII’s) e arrojados, como as ações.

investir em renda fixa
Crédito da foto: pixabay.com

A diversificação como solução

Não se pode colocar todos os ovos em uma mesma cesta. Seguindo essa lógica, o investidor tem muito mais chances de prosperar no mercado financeiro.

A ideia é se organizar para investir em função de objetivos e recorrer aos ativos no mercado tidos como os mais indicados para cada meta.

Existe uma grande oferta deles presente principalmente nas corretoras de valores. Em um momento em que o acesso tem sido cada vez mais simplificado, esse tende a ser o caminho seguro para o sucesso financeiro.

O que fazer com a Selic em baixa? Diversificar. Dessa forma o sucesso do investidor não fica dependente de um único elemento. É não fica tão exposto às flutuações da Selic e de qualquer outro referencial.

Uma vez que o investidor tem uma carteira bem estruturada, ele consegue alcançar rentabilidade, segurança e liquidez.

Leia também

Independência financeira: como conseguir a sua?

Fundos Imobiliários

Crédito da foto de capa: pixabay.com

Nota: O artigo é um publieditorial, sendo seu conteúdo de responsabilidade integral do contratante.

Mais lidas
Clube de Vantagens

Cupons e descontos exclusivos para leitores

Economize na sua Viagem

Cada vez que você reserva um produto por algum destes links do blog, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar e a atualizar nosso conteúdo, sem você ter que pagar nada a mais por isso.

GARDENS <br><span class="lifestyle">Viagens e Lifestyle</span>

GARDENS
Viagens e Lifestyle

Idealizadora e fundadora do Não Pira, Desopila, apaixonada por SUP e ex bailarina do Municipal de São Paulo, largou sua carreira de executiva em uma grande multinacional para viver os seus sonhos e ter uma vida mais leve.

Leia Mais
Demais Autores
Mari Rogatoo

Mari Rogatoo

Gastronomia

Ricardo Andion

Ricardo Andion

Games & Gastronomia

Mateus Fon

Mateus Fon

Finanças

Alessandra Lopes

Alessandra Lopes

Yoga e Hawaii

Luci Orkov

Luci Orkov

Vida Saudável

Ana Paula Teixer

Ana Paula Teixer

Arquitetura & Design

RECEBA NOSSO CONTEÚDO POR E-MAIL

Open chat
Olá. Podemos ajudar?
Olá. Podemos ajudar?