[gtranslate]
investir em renda fixa

Selic em baixa: como investir em renda fixa?

Você sabe o que é um investimento de renda fixa e quando investir nesta modalidade?

Sempre que um investimento apresenta regras de rentabilidade e prazo definidos logo no momento da aplicação, então é identificado como de renda fixa. A ideia é que o investidor tenha maior segurança ao saber onde está colocando o seu dinheiro.

Assim, quando uma pessoa investe em renda fixa, ela atribui o sucesso dessa aplicação a algum índice, que pode ser prefixado ou pós-fixado. Entre eles, certamente o mais popular é a taxa Selic, a taxa de juros básica do país.

Ao investir em um ativo atrelado à taxa Selic, o investidor sabe que o resultado final do seu investimento se dará em função do comportamento dessa taxa.

A Selic como referência

Cabe ao Comitê de Política Monetária (Copom) controlar a taxa Selic. Em geral, esse comitê observa uma série de fatores para determinar se ela sobe ou desce.

Consequentemente, essa determinação impacta toda a economia, uma vez que a Selic é usada entre os bancos para o financiamento de operações lastreadas em títulos públicos federais.

Assim, na prática, a Selic controla a emissão, a compra e a venda dos ativos.

Em março de 2020, o Copom reduziu novamente a taxa Selic, reduzindo para 3,75%. Esse índice é considerado baixo por se tratar de uma taxa que já chegou a atingir 45% no passado.

O problema é que dessa forma, a rentabilidade dos ativos atrelados à Selic fica menor.

Quando investir pensando na Selic vale a pena?

Um erro muito comum cometido pelo investidor brasileiro é apostar tudo em ativos com alta rentabilidade.

Quando o investimento é feito com critérios, mesmo as oscilações podem ser boas para o investidor, uma vez que não é apenas a rentabilidade que precisa considerar para ter sucesso nas aplicações.

grafico economico com seta de aumento investir em renda fixa
Crédito da foto: pixabay.com

Embora o contexto atual torne inviável a busca por altas rentabilidades associadas à Selic, o fato é que investimentos atrelados a ela costumam apresentar outros diferenciais, tão importantes quanto a rentabilidade no mercado financeiro: a liquidez e a segurança.

Quando o investidor aplica em um ativo com alta liquidez, significa que pode fazer o resgate do dinheiro investido com maior rapidez, algo essencial para situações emergenciais.

Já quando aplica em um ativo que apresenta segurança, quer dizer que riscos comuns como o de calote, são amenizados por quem emite o ativo.

Como investir em renda fixa?

Diante desse cenário, o mais indicado é o investidor compreender o que os investimentos atrelados à Selic podem oferecer a ele.

Se alguns anos atrás, eram certeza de boa rentabilidade e proteção, hoje apesar de não serem os mais indicados para quem quer ganhar mais dinheiro, ainda podem ser muito úteis para objetivos diferentes.

Entre esses objetivos está a formação da reserva de emergência, um primeiro e fundamental passo na construção de uma estratégia de investimentos eficiente.

Mesmo grandes players do mercado, especialistas em renda variável, precisam ter sua reserva e isso geralmente é construído em ativos de renda fixa atrelados à Selic.

O caminho mais seguro então é começar a jornada no mercado de investimentos de maneira conservadora. Ou seja, optando por ativos que rendem pouco, mas que são seguros e líquidos, como o Tesouro Selic, um título que permite o resgate diário e que é emitido pelo governo brasileiro.

Formando sua reserva de emergência nesse ativo, o investidor já tem como dar passos adiante na construção de sua estratégia, recorrendo a investimentos de perfil mais moderado, como Fundos de Financiamentos Imobiliários (FII’s) e arrojados, como as ações.

investir em renda fixa
Crédito da foto: pixabay.com

A diversificação como solução

Não se pode colocar todos os ovos em uma mesma cesta. Seguindo essa lógica, o investidor tem muito mais chances de prosperar no mercado financeiro.

A ideia é se organizar para investir em função de objetivos e recorrer aos ativos no mercado tidos como os mais indicados para cada meta.

Existe uma grande oferta deles presente principalmente nas corretoras de valores. Em um momento em que o acesso tem sido cada vez mais simplificado, esse tende a ser o caminho seguro para o sucesso financeiro.

O que fazer com a Selic em baixa? Diversificar. Dessa forma o sucesso do investidor não fica dependente de um único elemento. É não fica tão exposto às flutuações da Selic e de qualquer outro referencial.

Uma vez que o investidor tem uma carteira bem estruturada, ele consegue alcançar rentabilidade, segurança e liquidez.

Leia também

Independência financeira: como conseguir a sua?

Fundos Imobiliários

Crédito da foto de capa: pixabay.com

Nota: O artigo é um publieditorial, sendo seu conteúdo de responsabilidade integral do contratante.

Mais lidas
Clube de Vantagens
Economize na sua Viagem

Cada vez que você reserva um produto por algum destes links do blog, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar e a atualizar nosso conteúdo, sem você ter que pagar nada a mais por isso.

Picture of GARDENS

GARDENS

Viagens e Lifestyle

Idealizadora e fundadora do Não Pira, Desopila, apaixonada por SUP e ex bailarina do Municipal de São Paulo, largou sua carreira de executiva em uma grande multinacional para viver os seus sonhos e ter uma vida mais leve.

Leia Mais
Demais Autores
Picture of Mari Rogatoo

Mari Rogatoo

Gastronomia

Picture of Fran Galvão

Fran Galvão

Estilo

Picture of Ricardo Andion

Ricardo Andion

Games & Gastronomia

Picture of Mateus Fon

Mateus Fon

Finanças

Picture of Alessandra Lopes

Alessandra Lopes

Yoga e Hawaii

Picture of Luci Orkov

Luci Orkov

Vida Saudável

Picture of Ana Paula Teixer

Ana Paula Teixer

Arquitetura & Design

RECEBA NOSSO CONTEÚDO POR E-MAIL

Open chat
Olá. Podemos ajudar?
Olá. Podemos ajudar?