Sua fome é fisiológica ou emocional? Sabia que há estudos que demonstram que o corpo humano pode ficar mais de vinte dias sem se alimentar? Sabendo disso, deu pra perceber que há grandes chances da fome que sente ultimamente ser muito mais emocional do que fisiológica, o que significa que provavelmente é mais uma vítima da tão conhecida “vontade de comer”, que no fundo é apenas uma desculpa para “descontar” alguma coisa.

Mas como identificar?

Da próxima vez que tiver “fome”, para e pense no seguinte: Ando estressado? Tenho dormido mal? Estou com um assunto que não sai da cabeça? A ansiedade tem me assombrado? Sou compulsivo? – Bom, se você responder positivamente a qualquer uma destas perguntas, pense duas vezes antes de abrir a geladeira e sair atacando a primeira coisa que ver na frente!

Tenho algumas dicas que utilizo para me conter quando respondo sim a qualquer uma destas perguntas, que são:

1º. Já é automático! Tomar um copão, daqueles bem grandes e cheios de água!

2º. O copão não resolveu, vamos pensar no horário. Quanto  tempo faz que tive a minha última refeição? Já se foram pelo menos 3 horas? Esta ultima refeição foi razoável? Foi nutritiva?

3º. Tento me distrair com alguma coisa.. Seja no trabalho, uma série, um livro, vou dar um passeio… Enfim, distrair a mente!

4º. Comer alguma coisa amarga ou azeda, pois estes alimentos inibem a vontade de comer doce além de ajudar a acabar com o chamado “paladar infantil”. Um quadradinho de chocolate amargo, alguns morangos (que tem pouquíssimas calorias), um café, um chá (ambos sem açúcar ou adoçante, claro!);

5º. Minha ultima arma… Pranayama! Calma, não se assustem. Pranayama nada mais é do que uma técnica de respiração utilizada na yoga. Quando você aprende a ter consciência e controle da sua respiração, sabe que essa prática é capaz de não só fornecer bem-estar para o nosso corpo, mas também para nossa mente e espírito. Ou seja, maior controle também das nossas ansiedades e vontades.  Um exercício muito simples, que pode ser feito a qualquer hora é simplesmente inspirar contando até 3, e expirar contando até 3, repetindo no mínimo umas dez vezes. Aos poucos vá aumentando os intervalos, podendo variar entre o tempo de inspiração e o de expiração e também incluir intervalos, onde você fica sem ar entre a expiração e a inspiração, ou retém os pulmões cheios entre a inspiração e a expiração. Tente!

IMG 2904
Nessa hora garanto que não era fome, não! Era pura gula de comer o 1o. pastel de Belém em Portugal rs.

Agora, falando bem sério, se você acha que está enfrentando algum problema com a comida, descontando seus sentimentos e suas ansiedades, chegando a uma compulsão, procure ajuda. Consulte um nutricionista e, se achar necessário, um terapeuta também. Elas podem te ajudar com essa questão, revisar sua rotina e te levar pelos caminhos de uma vida mais saudável!

E quem por aí tiver alguma dica pra dividir com a gente sobre como driblar a fome emocional, manda mensagem que ficaremos felizes!

Até semana que vem!

Créditos da foto de capa: https://www.vix.com

 

Mais lidas
Clube de Vantagens

Cupons e descontos exclusivos para leitores

Economize na sua Viagem

Cada vez que você reserva um produto por algum destes links do blog, recebemos uma pequena comissão que ajuda a monetizar e a atualizar nosso conteúdo, sem você ter que pagar nada a mais por isso.

GARDENS <br><span class="lifestyle">Viagens e Lifestyle</span>

GARDENS
Viagens e Lifestyle

Idealizadora e fundadora do Não Pira, Desopila, apaixonada por SUP e ex bailarina do Municipal de São Paulo, largou sua carreira de executiva em uma grande multinacional para viver os seus sonhos e ter uma vida mais leve.

Leia Mais
Demais Autores
Mari Rogatoo

Mari Rogatoo

Gastronomia

Ricardo Andion

Ricardo Andion

Games & Gastronomia

Mateus Fon

Mateus Fon

Finanças

Alessandra Lopes

Alessandra Lopes

Yoga e Hawaii

Luci Orkov

Luci Orkov

Vida Saudável

Ana Paula Teixer

Ana Paula Teixer

Arquitetura & Design

RECEBA NOSSO CONTEÚDO POR E-MAIL

Open chat
Olá. Podemos ajudar?
Olá. Podemos ajudar?